Chutar no gol não é proibido, Atlético.

Em mais uma fria noite curitibana, o Furacão entrava em campo na busca de interromper a sequência de 4 jogos sem vencer. O adversário era o Botafogo, que vinha de duas vitórias seguidas, a última na segunda-feira, diante do Sport.

O jogo começou parecendo propício para o Atlético interromper seu jejum, na cabeçada de Douglas Coutinho, sobre o gol do bom goleiro Jefferson. Logo em seguida, aos quatro minutos, em boa jogada, Sidcley cruza para Pablo, que cabeceia e Jefferson defende.

A partir disso, o jogo começou a ficar “embolado” na meia cancha, com muita catimba do time carioca, parando o jogo com frequência, vendo que o empate fora de casa era um bom resultado. O Botafogo até chegou, aos 25, num chute de Roger que passa ao lado da meta de Weverton, sem levar muito perigo.

Por volta dos 30 minutos, num contra-ataque iniciado por Sidcley, Nikão arranca e cruza para Jonathan, que sente algo na coxa e não chega na bola, logo após o lance, o lateral direito foi substituído por Gustavo Cascardo.

O Atlético ainda chegaria com um chute de Eduardo Henrique, de fácil defesa para Jefferson. Alguns minutos depois, João Paulo levanta para Roger cabecear, onde Weverton faz firme defesa.

Após um primeiro tempo muito fraco tecnicamente, o Atlético volta sem mudanças, mas um pouco mais agressivo. Aos sete minutos o treinador Fabiano Soares faz a segunda alteração, com Ederson no lugar de Douglas Coutinho que sai sob vaias. Muito contestado no Atlético Paranaense, sendo titular em quase todos os jogos do time, sem agradar nem um pouco a torcida rubro-negra.

Aos 17, Eduardo Henrique sente e pede troca, Guilherme entra em seu lugar, trazendo melhora considerável ao meio campo do Atlético. Logo aos 22, em cruzamento de Nikão, Guilherme cabeceia e manda por cima do gol do Botafogo.

Um minuto depois, o Atlético ainda se mostra um pouco perdido em campo, e Pimpão toca para Matheus Fernandes, livre na entrada da área, que chuta sem perigo algum.

O jogo se torna corrido, mas ainda com poucas chances. A torcida começa a empurrar o Atlético para o gol, que pouco cria, e quando cria, é com pouca qualidade, é notório como nosso ataque está ineficiente nesse ano.

No fim do jogo, por volta dos 30, Nikão bate forte para o gol, Jefferson espalma e a bola ia sobrando para Ederson empurrar para as redes, quando Victor Luis chega para cortar e impedir o gol atleticano.

O Botafogo, contente com o resultado, começa a parar o jogo com muitas faltas, aos 40 minutos, Emerson Santos é expulso após levar o segundo amarelo numa falta dura em Sidcley. O Furacão ainda tenta criar algumas oportunidades, mas todas com pouca eficiência.

Aos 52 minutos, Anderson Daronco apita o final da partida. Mais uma atuação fraca do Rubro-Negro, que precisa urgente voltar a vencer e apresentar um futebol melhor. Voltamos a campo no domingo as 19h, novamente na Arena, para o duelo diante da Ponte Preta, válido pelo Brasileirão, apenas a vitória interessa.

Comentários

Comentários