Em noite de Kleber Pereira e Lucas, a América conheceu o Furacão

Um clube sem tradição na Libertadores, chegava ao Peru para estrear na competição continental pela primeira vez e enfrentaria uma equipe que já havia chegado a semifinal do torneio duas vezes. A tônica da imprensa local era única, de puro desconhecimento de uma equipe que havia chamado atenção por deixar os tradicionais São Paulo e Cruzeiro pra trás, na Seletiva Pré-Libertadores do ano anterior. Se não conheciam “El Paranaense”, falta de sorte a deles, pois passaram a conhecer muito bem, da pior forma possível.

Era uma noite fria em Lima, estreia do Alianza logo após o seu aniversário e com ingressos a preço baixo. Estádio lotado? Festa? Atmosfera de Libertadores? Nada disso. Menos de 5000 mil pessoas, sendo cerca de 20 delas atleticanas, compareceram ao Alejandro Villanueva e o que elas viram foi um show do time brasileiro.

Lucas disputando bola (Foto: VALTERCI SANTOS/Gazeta do Povo)

Logo no início, escanteio para o Furacão e Luisinho bateu mal na bola, que sobrou de novo pra ele. É o que dizem, não se desperdiça uma segunda chance. Chapa nela! A bola encobriu Percovich, goleiro do time peruano e morreu no ângulo. Golaço, pra abrir com chave de ouro a história do clube na Libertadores da América. A partir daí, virou um desfile rubro-negro.

Gabiru foi um dos nomes do jogo (Foto/Reprodução)

Kleber Pereira, Kelly e Adriano Gabiru trocavam passes no campo de ataque de forma maravilhosa e Luisinho aparecia sempre como elemento surpresa lá na frente. Uma atuação de gala! O Alianza não conseguia respirar dentro da sua própria casa. Chutes de fora da área a todo momento, ninguém entendia o que estava acontecendo, beirava o absurdo. No fim do primeiro tempo, em jogada de Kleber, Lucas recebeu a bola, esperou o goleiro cair e ampliou.

No segundo tempo, o domínio foi maior ainda e entre grandes defesas do goleiro, gol anulado e marcação sob pressão, novamente o Furacão foi lá e marcou. Grande bola de Lucas para Kelly, que dominou com maestria e tirou do goleiro com a perna esquerda. Mais um golaço pra conta. Não tinha como começar melhor.

Com a vitória consolidada, a equipe passou a administrar o resultado e apenas deleitar o protesto da torcida do Alianza Lima diante da humilhação. Vaias e gritos de “Onde está o dinheiro de Pizarro?” tomaram conta do estádio. Quem diria? Que noite sensacional para a memória dos atleticanos. Esse foi o ponto inicial de uma campanha que refletiu na classificação o futebol jogado dentro de campo. No total foram 5 vitórias e 1 empate na primeira fase, com 11 gols marcados e apenas 2 sofridos, anotando a primeira vitória de um paranaense fora de casa na história da Libertadores.

O Atlético-PR realmente mostrou ao que veio, mostrou que dali poderia sair uma equipe vencedora, tanto no futebol brasileiro, quanto sul-americano. A partida em Lima é um marco e despertou a atenção dos gigantes para quem poderia incomodar… e de fato incomodou e ainda incomoda, muito.

Veja os melhores momentos da partida:

Comentários

Comentários