Os porquês da derrota para o Palmeiras

São vários os porquês da derrota desse domingo, mas não há como começar a contar a história de Sport 0x2 Palmeiras sem ser elogiando a atuação impecável do setor defensivo dos visitantes. A marcação encaixada desde o campo rubro-negro impediu que o Leão exercesse o estilo de jogo que vinha dando certo nas últimas partidas. O 4-1-4-1 armado pelo técnico Cuca era muito evidente e a compactação dessas linhas anulou completamente qualquer iniciativa do Leão.

Já que a marcação estava forte, cabia ao Sport ser menos burocrático na hora de propor o jogo. Chutões e cruzamentos em excesso lembraram muito o time de 2 meses atrás, que quando tinha a bola não sabia o que fazer. Após boas atuações do lado esquerdo, era óbvio que os adversários perceberiam esse trunfo. O Palmeiras reforçou a defesa no setor e poucas jogadas de ultrapassagem aconteceram.

O gol alviverde aconteceu após um escanteio doado, em que Bruno Henrique contou com muita sorte pra bola morrer na rede. O jogo que já estava difícil se tornou complicadíssimo. O Sport, que ao menos era paciente, se desesperou, e o segundo gol veio do desespero na saída de bola. Patrick foi afobado e tentou fazer o mais difícil. O mesmo Bruno Henrique fez um lançamento espetacular e o veloz Keno não teve problemas pra entrar nas costas da lenta defesa rubro-negra e marcar o gol da vitória.

Na volta do segundo tempo, Luxa fez a substituição óbvia. Sander deu lugar a Rogério, que jogando na direita perde a sua maior qualidade que é o chute cortando pro meio. O Pofexô deixou Everton mais livre, para que ele pudesse adubar diversas partes do campo. Tarde infeliz do Juvenil que vinha jogando bem. Diego Souza virou segundo atacante, posição em que só rende na Seleção Brasileira. E tome cruzamentos inúteis pros dois homens de área. Rithely hoje fez uma de suas piores atuações na vida. Tentando “jogar bonito” o tempo todo. Endoidou. Agenor até foi bem, mas todo rubro-negro sentiu saudades de Magrão quando viu a bola do segundo gol morrer na rede. Ninguém entende o encanto de Luxemburgo por Thallyson e ainda teve Thomás, que não jogava desde 1987.

Sim, o Sport quebrou o recorde de público da Arena e mais uma vez ficou claro que a nossa casa é a Ilha do Retiro.

Numa tarde onde todos foram mal, a derrota serviu pra mostrar que nem tudo é um mar de rosas. Mas também não é preciso fazer uma “caça às bruxas”. O Palmeiras fez uma partida perfeita e o Sport vem jogando bem. Precisa buscar alternativas de jogo diferentes e reforçar o elenco se quiser continuar brigando pelo Pojeto Libertadores. Seria importante buscar um pontinho em Salvador, mas com as suspensões de Diego, André e Rithely a missão fica mais árdua. Que seja na raça na Argentina e na Bahia. Vida que segue.

Pelo Sport Tudo.

Comentários

Comentários