Por que não usar a base, Coritiba?

Já faz anos que a torcida está com uma pulga atrás da orelha, o Coritiba sempre fornece jogadores para seleções de base, com frequência faz boas campanhas em campeonatos da categoria e mesmo assim não consegue revelar em quantidade. Seria falta de filosofia? Influências de empresários?

Recentemente o nosso sub-19 conquistou a Dallas Cup, campeonato no Estados Unidos que envolvia times de médio porte da Europa, porém com certa tradição no quesito base, como Everton, Fiorentina, Valência, entre outros. Dessa geração, o Coxa subiu apenas um jogador: Evandro (o próprio foi chamado por Tite para treinar com a seleção), que está emprestado por falta de OPORTUNIDADE.

Em 2016, o mesmo sub-20 ficou em terceiro no Brasileiro. Um total de ZERO jogadores foram revelados e promessas como Julio Rusch (visto como um dos melhores volantes da categoria), Gustavo Mosquito (a principal joia desse time), Kady (pouco utilizado entre os profissionais) vão ficando para trás por causa de medalhões com seus salários muito maiores e que não possuem potencial de venda e nem a habilidade para ser um ídolo.

Em abril, o Coritiba parte para mais uma Dallas Cup, quando enfrentará o Manchester United precocemente na fase de grupos. As expectativas no grupo alviverde são grandes, já que o clube é bi campeão da competição. Esperamos que mesmo na falta de sucesso no torneio, a diretoria olhe melhor para seus meninos e não gaste tanto com jogadores medianos/ruins que ocupam o espaço da molecada. Utilizar a base e trazer reforços pontuais deve ser a nossa filosofia. Essa é a melhor receita para que um clube com pouco dinheiro consiga montar equipes razoáveis e consiga certo lucro.

Confira todos os gols do Coxa na Copa Dallas 2015: 

Comentários

Comentários