SC Scout #2 – Ligue 1 e Série A

Por Allefe Soares, Bruna Mendes e Yuri Laurindo

A temporada 2016/2017 está terminando e com ela a chuva de transferências vem com toda a força. Clubes da Europa se movimentam buscando novos nomes para tentar alcançar um desempenho cada vez melhor. Nós, do Sem Clubismo, resolvemos fazer uma lista de sugestões de nomes que melhorariam cada um dos grandes do Velho Continente em uma série de posts. Hoje, nós vamos apresentar a lista  de dois clubes da Ligue 1 e cinco clubes da Serie A.


Paris Saint-Germain: Apesar do desastre na Champions League e o vice-campeonato francês depois de 4 anos, a equipe de Paris mostrou ter uma base muito boa, que caso seja mantida com alguns pequenos ajustes poderá trazer alegrias para os torcedores. No geral, a defesa se mostrou sólida em alguns momentos, mas existe uma necessidade de agregar mais experiência ao setor.

No interior dela, na zaga, o PSG conta com dois brasileiros de um nível muito alto, Marquinhos e Thiago Silva, além do jovem francês Kimpembe, mas as trocas no setor causavam uma variação desnecessária do rendimento. Com isso, a chegada de uma peça se torna essencial e Pepe, em final de contrato no Real Madrid aparece como principal candidato a desembarcar na cidade do amor. No conceito liderança e técnica o português seria muito importante em jogos como o da volta contra o Barcelona, em que o time tomou 6 a 1 se em esboçar reação.

Pepe está deixando o Real e pode ser opção para o PSG (Foto: Getty Images)

Outra dificuldade estava na lateral-esquerda, que atualmente conta com o bom Kurzawa e com o veterano brasileiro Maxwell. As opções são de certa qualidade, mas visando uma Champions League talvez há uma necessidade de melhora. Com isso surgem as opções de Mendy, que chama muita atenção pela solidez defensiva e qualidade na saída pro ataque no Mônaco e do suíço Rodríguez, que desperta interesse de vários clubes no mundo pela regularidade na Bundesliga atuando pelo Wolfsburg.

No meio-campo, as opções atuais de Matuidi, Verratti e até Krychowiak, que não rendeu bem desde que chegou por indicação de Unay Emery, estão em um nível muito acima do comum, o que não evita investidas que poderiam forçar a saída de algum deles do clube. Com ou sem a saída de alguma das peças, o PSG poderia investir em algum bom volante de qualidade defensiva e boa saída de bola, como Bakayoko, outro destaque do Mônaco ou Keita, que se destaca no RB Leipzig pela sua polivalência.

A chegada de algum jogador agudo que atue pelos lados do campo também seria interessante, para potencializar as atuações de Draxler e Di Maria, possibilitando que eles atuem aproximando mais da área mas nem sempre buscando o caminho dos extremos. A qualidade de passe do alemão principalmente poderia se aliar a velocidade e qualidade de drible de Lemar, outra joia monesgasca. O Paris Saint-German necessita de poucas peças, mas precisa de um ajuste no comando técnico, já que Emery decepcionou muito. Talvez não seja o certo a troca do treinador, mas uma mudança da mentalidade do mesmo, visando jogos de maior porte.

Jogadores: Pepe (Real Madrid), Mendy (Mônaco), Rodríguez (Wolfsburg), Keita (Leipzig), Bakayoko (Mônaco), Lemar (Mônaco)


Mônaco: Entre os melhores ataques da Europa, campeão da Ligue 1 desbancando o rival milionário PSG, e chegando a uma semifinal de Champions League eliminando times como Borussia Dortmund e Manchester City, o Mônaco foi uma surpresa nessa temporada 2016/17. Com uma mistura de jovens promessas e jogadores mais experientes, Jardim conseguiu fazer mais do que o esperado e chama atenção. Contando com seu forte ataque, a equipe sofreu com atuação defensiva.

Glik e Jemerson formam a atual dupla de zaga, mas a chegada de outros zagueiros incorporaria mais o elenco. Perrin (Saint-Étienne) tem 31 anos e poderia agregar no sentido experiência e ajudar o time a se estabelecer como principal força dentro da França e brigar por títulos europeus. Jorge Meré (Sporting Gijón) é jovem e tem tudo para ser um grande zagueiro. Fez uma excelente temporada apesar do rebaixamento do seu time, isso deve abrir portas para ele ir em busca de um novo clube.

Meré é jovem e promissor, seria uma baita contratação para o setor de defesa (Foto: El Desmarque)

Com possível saída da grande revelação do time na temporada, Mbappe, um reforço para o ataque seria muito bem-vindo. Rémy (Chelsea) atualmente emprestado no Crystal Palace, não empolgou na Premier League e deve considerar uma volta à Ligue 1 na próxima temporada. Uma opção mais barata seria Lucas Alario (River Plate), que já pensa na Europa. O argentino goleador iria encontrar fácil adaptação por ser um cenário mais cômodo e pode se dar muito bem ao lado de Falcao Garcia.

O Mônaco tem plena noção de que vários clubes estão interessados em seus jogadores, Fabinho e Bakayoko são dois deles. A saída deles faria o clube correr atrás de jogadores da posição, Tielemans (Anderlecht) e Koziello (Nice) são opções para a recomposição do meio-campo. Jovem e com um preço razoável, Koziello é aquele meia completo: marca bem, tem velocidade e visão de jogo, o lado bom é que joga em time do mesmo país e isso facilitaria. Ajudaria na parte defensiva do time sem abdicar o ataque. Já o belga acrescentaria na saída de bola já que essa é uma das suas características, tem habilidade com os dois pés e chega no ataque com qualidade de finalização.

Jogadores: Perrin (Saint-Étienne), Meré (Sporting Gijón), Koziello (Nice), Tielemans (Anderlech), Alario (River Plate), Remy (Crystal Palace)


Juventus: Finalista da UEFA Champions League, La Vecchia Signora tem um dos melhores elencos do mundo, principalmente do ponto de vista defensivo. Possuindo as melhores opções de zagueiros no mundo, com Bonucci, Chiellini e Benatia, recentemente adquirido após o fim do contrato de empréstimo junto ao Bayern, a Juve deve buscar algumas opções para tornar seu meio-campo mais consistente e seu ataque mais agudo, pelo risco da perda do seu principal nome, Paulo Dybala.

Na volância, hoje a equipe de Turim possui como melhores opções Khedira e Marchisio, talvez uma renovação, tendo em vista o futuro seria interessante. Desde a saída de Vidal, os bianconeri sofrem com a ausência de um meio-campista moderno, com facilidade para marcar e sair bem pro ataque, apesar da qualidade de Pjanic e o esquema de Allegri conseguirem diminuir essa necessidade. Tolisso, do Lyon da França é um jovem com potencial e poderia se tornar uma grande opção para qualificar o elenco dos italianos.

Pelas pontas, Mandzukic, apesar de ter se destacado na temporada, atua de forma improvisada e Cuadrado, que esbanja qualidade, são as únicas opções, mas Allegri pode contar com alguns deslocamentos de Dybala e entrada do jovem Pjaca. Alguns wingers que se destacaram pelo mundo nessa temporada poderiam ser importantes para a melhora do elenco de Max, agregando em velocidade, passe, finalização e afins, dependendo do nome. Pela direita, James Rodríguez (Real Madrid) seria um sonho, já que agregaria em passe e seria capaz de aumentar o número de bolas que chegariam a Pipita Higuaín, além de poder fazer a função de camisa 10 quando necessário.

Outras opções, de mais velocidade, como Lemar (Mônaco),  Thauvin (OM), destaques na Ligue 1 e Berardi, joia do Sassuolo, que também atuam pela esquerda, trariam um ganho nas variações do sistema tático, o que já foi uma arma dos alvinegros durante a última temporada. Além dessas opções, Iñaki Williams, jovem do Bilbao aparece muito bem na La Liga e pela experiência ganha nos últimos anos e uma qualidade de drible mais destacável seria uma aquisição espetacular.

Domenico Berardi foi um dos melhores da Serie A e uma joia a ser lapidada, talvez na Juventus. (Foto: EFE)

Por fim, um nome visando um aumento no leque de variações do ataque e um aumento de qualidade, por se tratar de um jogador World-Class, seria o de Alexis Sanchez. O chileno que atuou por muitos anos como ponta, vive seu melhor momento na carreira centralizado no ataque, como camisa 9. Um trio de ataque com o chileno e os argentinos Higuaín e Dybala seria um dos melhores do mundo e permitiria uma forma de movimentação muito diferenciada. No geral, poucas mudanças são necessárias na Juventus e em todos os casos visam uma melhora para manter o alto nível por mais algumas temporadas, buscando o tão sonhado título europeu.

Jogadores: James Rodriguez (Real Madrid), Lemar (Mônaco), Berardi (Sassuolo), Thauvin (OM), Sanchez (Arsenal), Tolisso (Lyon), Iñaki Williams (Bilbao)


Roma: A Roma chegou no fim da temporada a todo vapor, disputando o título da Calcio A com a Juventus e se mostrando muito forte na Europa League. Em dois jogos incríveis, saiu para o Lyon nas quartas de final e não conseguiu dar sequência ao possível título europeu. Com a zaga sendo o forte, o técnico Spalletti fez a Roma ter a segunda melhor defesa da Itália e o segundo melhor ataque no país nessa temporada. Dzeko e Salah comandaram o ataque nessa temporada.

Manolas foi o principal destaque da zaga, seguro e firme na marcação, o grego tem apenas 25 anos e desperta interesses de clubes da Premier League e deve considerar uma transferência para a Inglaterra. Felipe (Porto) faz uma ótima temporada no clube português e atraiu interesse de vários clubes grandes como o Real Madrid, mas o seu destino não parece tão obvio. Seria um grande reforço para o clube italiano pelo seu ótimo posicionamento em campo. É um zagueiro que costuma pensar antes do adversário e seu estilo de jogo rápido e intenso se encaixaria perfeitamente na Itália, agregando nos contra-ataques e bolas paradas.

No meio campo os italianos contam com poucos jogadores, Nainggolan é um dos principais nomes desse time e é desejado por grandes clubes no continente. Benassi (Torino) e Jankto (Udinese) se destacam individualmente nos seus clubes e a ida para um clube de maior expressão no pais é considerada. O italiano que começou na Internazionale, não surpreendeu de cara e depois de ser emprestado ao Livorno foi vendido ao Torino, onde conseguiu render melhor e fazer uma grande temporada. Veloz e habilidoso, o meia Jankto sempre aparece no campo ofensivo como homem surpresa e também pelos lados do campo, gerando mais opções de passe. Pizzi (Benfica) é um baita meia esquerda e com idade razoável, passou pelo Atlético de Madrid, mas não conseguiu mostrar seu futebol. Chegou de mansinho no Benfica e surpreendeu. Habilidoso e forte na entrada da área, o português sempre participa das jogadas de ataques e ajudaria a Roma nesse quesito.

Pizzi, destaque do Benfica, chegaria como uma ótima opção e custa cerca de 35 milhões de euros. (Foto: LUSA)

Com um ataque focado no seu centroavante, os jogadores sempre buscam o atacante, e a presença dos pontas nisso é importante já que é necessário ter velocidade e precisão nos passes. Isso acaba sobrecarregando alguns jogadores e um atacante com velocidade e mais mobilidade tiraria essa carga dos companheiros. Sandro Ramírez (Málaga) e Gerard Moreno (Espanyol) são destaques de suas equipes nessa temporada e aparecem no Top 10 artilheiros da La Liga. Sandro era jogador da base do Barcelona e foi para o profissional em 2014, não teve muitas chances assim como muitos canteranos na Espanha, liberado para conversar com outro clube, o jovem espanhol foi de graça para o Málaga no ano passado. Desde então vem marcando muitos gols pela equipe do técnico Michel e com apenas 21 anos se mostrou capaz de se tornar um grande jogador, atuando no ataque com velocidade sem perder qualidade nas finalizações. Gerard Moreno se tornou peça chave para o Espanyol e despertou interesse pelo baixo preço e certeza de que irá marcar gols. Nos últimos anos vem sendo fundamental para uma boa temporada do time da Catalunha. Somaria muito na Roma sem mudar muito o esquema já que é um centroavante nato. Faz o trabalho do pivô muito bem, puxa a marcação com facilidade mas consegue se livrar dela do mesmo jeito.

A lateral esquerda precisa de mais opções, Emerson vem se saindo bem mas ainda não se sabe se será o titular. Monreal (Arsenal) parece estar de saída do Arsenal e não se sabe se ele irá continuar na Inglaterra, voltar para a Espanha ou tentar algo na Itália. Seu estilo condiz com que o Spalletti gosta e com menos pressão e sua experiente poderia ajudar os giallorossos nesse sentido. Jovens, Wendell (Bayer Leverkusen) e Alex Telles (Porto) são dois jogadores já valorizados no mercado e tem tudo para serem titulares em equipes na Itália. Wendell atualmente é titular no Leverkusen e muito importante para o esquema da equipe. Já chegou a ser especulado no Real Madrid, Barcelona e Inter de Milão, o que ocasionaria uma certa concorrência na contratação do jovem brasileiro. O ex-gremista ajudaria a resolver o “problema” de construção de jogada com os laterais participando mais no ataque numa possível escalação com 3 zagueiros. Alex Telles teve sua passagem pela Itália em 2015 e despertou interesse do Porto, onde hoje é titular e fundamental na parte defensiva do time. Sempre com atuações seguras, é difícil que Alex deixe alguma ‘avenida’ na defesa do seu time.

Jogadores: Felipe (Porto), Pizzi (Benfica), Benassi (Torino), Jankto (Udinese), Sandro Ramírez (Málaga), Gerard Moreno (Espanyol), Monreal (Arsenal), Wendell (Bayer Leverkusen), Alex Telles (Porto).


Napoli: Vemos os frutos do trabalho de Maurizio Sarri no Napoli desde a temporada 2015/16, por isso não foi nenhuma surpresa o bom desempenho da equipe na UEFA Champions League e na Serie A.

As ideias de Sarri são maravilhosas. Mesmo com a dificuldade de superar o abismo financeiro entre o Napoli e os maiores rivais na Champions e até mesmo na Serie A (Juventus), e também levando em conta a perda do seu principal jogador no verão de 2016 – Gonzalo Higuaín, que foi para a Juve –, o time correspondeu e teve um desempenho na temporada que vai muito além dos números.

A equipe Napolitana tem como grande virtude de jogo a verticalidade e a posse de bola. Jogam em busca de encontrar espaço para oferecer linhas de passes verticais. Eles mantêm a posse da pelota para movê-la ao campo adversário com intensidade, e se não encontram os espaços para isso, retém a posse até encontrá-los.

Maurizio uniu esse futebol de encher os olhos, que é o mais legal de assistir na Itália, aos resultados, e não decepcionou: a equipe terminou em 3º lugar na Serie A, com um ponto a menos que a Roma e 5 a menos que a Juve, hexacampeã. Além disso, ainda conduziu a equipe até as oitavas-de-final da UCL, eliminados pelo finalista e poderoso Real Madrid.

Durante grande parte da temporada, vimos o Napoli jogar disposto em um 4-3-3 com Insigne, Mertens e Callejón na linha de ataque. O até então substituto de Gonzalo Higuaín, Arkadiusz Milik, foi alvejado por uma lesão em uma data FIFA de outubro e desfalcou o time por grande parte da temporada. Aí que o Sarri entrou em ação, teve uma felicidade tremenda ao escalar Mertens como falso 9 (Pavoletti, contratado em janeiro, não se firmou) e o belga é o titular até hoje – destaque para os seus 30 gols na temporada.

Para a temporada 2017/18, a manutenção do atual elenco já seria um grande reforço. O que pode melhorar é quem vem do banco: Nicolo Barella (20, Cagliari) poderia ser uma alternativa criava de criação na meiuca Napolitana, além de Quincy Promes (25, Spartak Moscou) e Keita Baldé (20, Lazio), que seriam ótimas peças para o lado de campo na composição desse elenco.

O holandês Promes já foi especulado no Liverpool e é um jogador de velocidade invejável (Foto; Getty Images)

As perspectivas do Napoli para a próxima temporada são boas. Podemos ver o trabalho de Maurizio Sarri ser consolidado com a conquista de um Scudetto, que não vem desde 1989/90. Essa excelente equipe ainda tem muita lenha pra queimar dentro do futebol europeu.

Jogadores: Nicolo Barella (Cagliari), Quincy Promes (Spartak), Keita Baldé (Lazio)


Internazionale: Após mais um fracasso, dessa vez na temporada de maior investimento na montagem de um elenco na sua história, a Internazionale decepcionou novamente e, ao que tudo indica, sofrerá uma nova reformulação na próxima época.

O badalado elenco interista gerou grandes expectativas, a equipe parecia finalmente voltar aos bons tempos mas a péssima administração fora de campo prejudicou (e muito) com decisões erradas e esse é um dos motivos da equipe não ter engrenado nessa temporada.

A Inter investiu mais de 150 milhões de euros em contratações – nomes como João Mário, Candreva e Gabriel Barbosa – e trouxe Frank De Boer para comandar a equipe. O holandês, que chegou em Milão faltando apenas 20 dias para o início da temporada, já entrou sob pressão e (naturalmente) não conseguiu bons resultados com o time nerazzurri. O que veio depois a gente já sabe: demissão com apenas 85 dias de trabalho.

Foi aí que a direção da Inter, completamente perdida, entrou em ação. Trouxeram Stefano Pioli para o lugar do De Boer, vindo ele para ser uma espécie de “tampão” até que os italianos fizessem nova investida em Diego Simeone.

Por um tempo, até que o Pioli conseguiu alguns resultados na Inter, tanto que manteve o time na zona de classificação da UEL por algumas rodadas, mas o bode expiatório das péssimas ações da diretoria não durou muito e teve seu trabalho encerrado após uma partida terrível contra o Genoa, na 35ª rodada da Serie A, onde a preguiça dos jogadores estava escancarada.

Para a Internazionale dar início à essa possível reformulação, eles devem definir um estilo de treinador para a próxima temporada o mais rápido possível. Os nomes especulados até agora têm características completamente distintas e talvez isso seja mais um sinal da falta de preparação da diretoria, que perdeu um dos seus principais nomes, Massimiliano Mirabelli, para o rival Milan.

O elenco nerazzurri da temporada 2017/18 deve ser montado aos critérios do novo treinador, mas apontaremos algumas coisas que podem ser feitas independente disso. Alguns jogadores devem ser vendidos para a flexibilidade do mercado da Inter ser maior, por causa do fair play financeiro. Ivan Perisic, Marcelo Brozovic e os laterais Nagatomo e Santon são alguns exemplos disso e eles devem ser vendidos, assim como uns jogadores que estão emprestados (Ranocchia e Jovetic). Matteo Darmian, encostado no Man. United desde a sua última lesão, e Davide Zappacosta seriam nomes pontuais para jogarem nas laterais. Quanto à zaga, Miranda é especulado fora da Inter e Winston Reid, do West Ham, seria um nome bastante interessante para a sua posição. Rudiger, da Roma, também é especulado e poderia ser mais uma alternativa para a defesa nerazzurri. Para a meiuca, o grande nome é Radja Nainggolan, excepcional volante da Roma que seria um dos pedidos de um dos treinadores especulados na Inter – Luciano Spalletti, atual treinador do Radja na Roma.

O belga Nainggolan é um talento que precisa de equilíbrio psicológico para se tornar um dos melhores do mundo (Foto: FILIPPO MONTEFORTE/Getty Images)

Por fim, para suprir a iminente perda de Perisic no ataque a Inter poderia investir em Sebastián Driussi, destaque do River Plate e que tem apenas 21 anos. Outra alternativa de lado de campo é Cengiz Ünder, meia turco de 19 anos que é um dos destaques do surpreendente Başakşehir, time que protagoniza boa campanha na Super Liga Turca. Gabriel Barbosa é um dos nomes que devem deixar Milão e Fyodor Smolov seria capaz de preencher o seu espaço e ser um reserva pontual de Mauro Icardi (apesar do jovem Andrea Pinamonti ter uma boa perspectiva dentro da Internazionale).

Mesmo sem se classificar para uma competição europeia, sabemos que a Inter é capaz de atrair bons jogadores e montar uma base forte para uma possível disputa nas temporadas seguintes. Com um planejamento bem feito esse elenco é completamente capaz de reviver os tempos da Inter que foi campeã de tudo na última década.

Jogadores: Matteo Darmian (Manchester United), Davide Zappacosta (Torino), Winston Reid (West Ham), Antonio Rudiger (Roma), Radja Nainggolan (Roma), Sebastián Driussi (River), Cengiz Ünder (Başakşehir), Fydor Smolov (Krasnodar)


Milan: A temporada 2016/17 do Milan esteve dentro das expectativas realistas do início da temporada, sabendo que o elenco é limitado e que o trabalho do treinador, Vincenzo Montella, estava apenas começando. O time foi inconsistente durante toda a temporada (por causa da baixa qualidade do plantel), mas mesmo assim conseguiu fazer boas exibições – dentre elas está a conquista da Supercopa, contra a Juventus – e surpreender-nos de forma positiva. A necessidade de reforços pontuais no elenco Rossoneri ficou clara quando dois dos três melhores jogadores do time – Alessio Romagnoli e Giacomo Bonaventura – se machucaram e não havia absolutamente ninguém de qualidade para repor as posições.

A zaga defasada da equipe serviu para consagrar e ser a afirmação de Gianluigi Donnarumma na equipe, que mesmo aos seus poucos 18 anos já figura entre os melhores goleiros da atualidade e será peça-chave na reconstrução da equipe. Espera-se que os chineses, que adquiriram a equipe recentemente, montem uma equipe em volta de Donnarumma e Romagnoli e invistam para que nas próximas temporadas o time volte a disputar a UEFA Champions League, dando continuidade ao bom trabalho do Montella. Em primeiro lugar, a zaga da equipe de Milão precisa urgentemente de duas peças de qualidade – Zapata e Paletta estão completamente inutilizáveis –, e bons nomes seriam o jovem colombiano Davinson Sánchez, que faz grande temporada no Ajax, e o zagueiro argentino Mateo Musacchio (Villarreal), que já foi anunciado nessa semana.

Ainda na zaga, com a iminente saída de Mattia De Sciglio e de Leonel Vangioni (cada um com interesse de Juventus e Sevilla, respectivamente), surgiu a possibilidade da vinda do jovem Antonio Barreca (Torino), lateral-esquerdo de apenas 22 anos. A imprensa italiana também falou em Ricardo Rodríguez (Wolfsburg) e em Andrea Conti, que faz boa temporada na surpreendente Atalanta.

A situação mais crítica é a do meio-campo: Pasalic retornará ao Chelsea; Mati Fernández também volta de empréstimo; Bertolacci é especulado fora do Milan e junto com ele está Andrea Poli. As peças que encaixariam perfeitamente na equipe seriam Daniele Baselli (25, Torino), Franck Kessié – já tem uma proposta em mãos – (20, Atalanta), o veterano Yaya Touré (33, Man City) e o espanhol Cesc Fábregas (30, Chelsea) revitalizariam a meiuca do Milan e podem trazer regularidade e equilíbrio à equipe.

Yaya Touré e Fabregas resolveriam o problema do meio-campo Rossonero, mas são sonhos distantes (Foto: Getty Images Europe)

Por fim, o ataque Rossoneri também será desmanchado: Bacca está descontente com a quantidade de jogos na reserva e cogita sair; após seu ótimo 2º semestre, Deulofeu é cotado para deixar o clube e Lucas Ocampos não agradou e deve voltar para o Marseille. Com seus fantásticos 25 gols na Serie A, Andrea Belotti seria perfeito para o centro do ataque do Milan. Junto com ele, Keita Baldé também está sendo especulado e ele faria um ótimo trio junto com Belotti e Suso (que também fez uma grande temporada).

O brasileiro Gustavo Scarpa também seria uma grande válvula de escape nesse time, que carece de qualidade pelas alas no banco de reservas. Com o dinheiro chinês sendo bem aproveitado e tendo calma com elenco e comissão técnica, a temporada 2017/18 tem tudo para ser um divisor de águas no Milan, que necessita urgentemente de coisas novas (ao poucos estão sendo trazidas por Montella). Essa renovação das peças é vital para que aquele velho Milan volte.

Jogadores: Sánchez (Ajax), Musacchio (Villarreal), Barreca (Torino), Rodríguez (Wolfsburg), Conti (Atalanta), Baselli (Torino), Kessié (Atalanta), Yaya Touré (Man City), Fabregas (Chelsea), Keita (Lazio), Scarpa (Fluminense) e Belotti (Torino)


A temporada 2017/2018 deve ser uma temporada de afirmação das equipes da Ligue 1 e da Série A no âmbito continental. O semifinalista da última Champions League, Mônaco tem o desafio de se manter no topo da Europa e o PSG de finalmente corresponder as expectativas pelo dinheiro gasto. Já por parte dos italianos, a Juventus deve se manter na elite europeia por mais um ano e alguns investimentos são necessários, enquanto a Roma, o Milan e a Inter de Milão querem voltar a encantar como encantavam no início do Século XXI e o Napoli procura continuar incomodando os gigantes.

Os clubes franceses e italianos devem movimentar bastante dinheiro nessa janela, principalmente pelos investimentos externos de chineses e árabes nos clubes. É possível esperar negociações de cifras muito altas envolvendo esses clubes, tanto em caso de compra quanto de venda. No rendimento, a expectativa é a melhor possível, mas com foco no longo prazo em alguns dos clubes.

 

Comentários

Comentários